Missões 2014
Phoca Gallery Error: Phoca Gallery component is not installed or not published on your system
Phoca Gallery Error: Phoca Gallery component is not installed or not published on your system

MODELO DE PROPOSTA ESTATUTÁRIA


Baixar arquivo 


MODELO DE PROPOSTA ESTATUTÁRIA

 

ATA DA ASSEMBLÉIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA IGREJA......................................., CONVOCADA PARA APRECIAÇÃO E APROVAÇÃO  DO ESTATUTO.

 

Ata da Assembléia Geral Extraordinária da Igreja............................................., realizada em sua sede, às ......horas do dia.......de .....................de 20__. Feita uma leitura bíblica e uma oração foi em seguida, pelo presidente Pr................., declarada aberta a Assembléia Geral Extraordinária para a apreciação e aprovação do Estatuto da Igreja, tudo  conforme as exigências legais em vigor e nos termos da convocação feita. Após apresentação da proposta do Estatuto feita pela Comissão Especial e realizado amplo debate sobre a matéria, a Assembléia, de forma unânime, votou pela aprovação da proposta  de Estatuto apresentada, o qual passa a  ter a redação que segue transcrita no presente livro de atas:

 

ESTATUTO DA IGREJA BATISTA......................................

 

CAPÍTULO I

DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, CONSTITUIÇÃO, SEDE E FINS

 

Art.1º A  IGREJA BATISTA................................................, doravante denominada Igreja, é uma organização civil de caráter religioso, sem fins econômicos, fundada em ...........................,com prazo de duração indeterminado, constituída com ilimitado número de membros, com sede e foro na rua .........................., nº...........  - cidade de...................., no estado da Bahia.

 

Art. 2º - A Igreja  tem as seguintes finalidades:

 

I - reunir-se regularmente para prestar culto de adoração a Deus e proclamar a mensagem do Evangelho de Jesus Cristo, por todos os meios ao seu alcance visando à expansão do reino de Deus entre os homens;

 

II - estudar as Sagradas Escrituras, visando ao doutrinamento e à edificação espiritual de seus membros;

 

III - cultivar a comunhão, o bom relacionamento e a fraternidade cristã;

 

IV – promover, pelos meios adequados, a causa da ação social cristã;

 

V - cooperar com as Igrejas filiadas à Convenção Batista Baiana e Convenção Batista Brasileira;

 

VI – cooperar com a Associação, a Convenção Batista Baiana e com a Convenção Batista Brasileira, na realização dos seus fins;

 

VII – promover, por todos os meios ao seu alcance, o estabelecimento do Reino de Deus no mundo.

                                     

Art. 3º - A Igreja reconhece e proclama Jesus Cristo como Salvador e Senhor, aceita a Bíblia Sagrada como única regra de fé e prática e adota a Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira.

 

Art. 4º - A Igreja é autônoma e soberana em suas decisões, não estando subordinada a qualquer outra Igreja ou Instituição.

                                     

Art. 5º - A Igreja poderá criar associações a ela vinculada, com personalidade jurídica própria, para desenvolver atividades específicas, dentro do seu programa de trabalho.

 

CAPÍTULO II

DOS MEMBROS DA IGREJA, ADMISSÃO, TRANSFERÊNCIA E DESLIGAMENTO

 

Art. 6º - A Igreja é constituída de pessoas que professam a sua fé em Jesus Cristo, como único Salvador e Senhor, aceitam as doutrinas bíblicas por ela defendidas e ensinadas.

 

Art. 7º - São considerados membros da Igreja, sem distinção de raça, sexo, profissão ou nacionalidade, as pessoas recebidas por decisão da Assembléia Geral desde que atendidos os requisitos biblicos e deste estatuto, da forma que se segue:

 

I - pública profissão de fé seguida de batismo;

 

II – carta de transferência de outras Igrejas da mesma fé e ordem;

 

III – reconciliação, devidamente solicitada;

 

IV – aclamação, precedida de testemunho e compromisso.

 

Parágrafo único – Casos especiais não constantes neste artigo serão decididos pela Igreja em Assembléia Geral e também pode ser regulado pelo Regimento Interno.

 

Art. 8º - Perderá a condição de membro da Igreja aquele que for desligado, por decisão da Assembléia Geral, nas seguintes hipóteses:

 

 I – infringir os princípios éticos, morais e da boa conduta, defendidos pela Igreja, com fundamento nas Sagradas Escrituras;

 

II – defender e professar doutrinas ou práticas que contrariem a Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira;

 

III – ausentar-se dos cultos e deixar de participar das atividades eclesiásticas, por tempo julgado suficiente para caracterizar abandono e desinteresse pela Igreja e a obra que realiza;

 

IV – solicitar desligamento;

 

V – transferir-se para outra Igreja.

 

VI -  Por falecimento

 

§ 1º - A Assembléia deliberará sobre a exclusão de qualquer membro, mediante parecer, devidamente fundamentado, de uma Comissão Especial por ela eleita.

 

§ 2º - Quando, de qualquer modo, o membro da Igreja se julgar injustiçado, terá seu direito de defesa resguardado.

 

§ 3º - Sob qualquer alegação, nenhum direito poderá ser reivindicado por aquele que deixar de ser membro da Igreja.

 

CAPÍTULO III

DOS DIREITOS E DEVERES DOS MEMBROS

 

Art. 9º - São direitos dos membros:

 

I – participar das atividades da Igreja;

 

II – participar da Assembléia Geral, com direito ao uso da palavra ao exercício do voto;

 

III – participar dos cultos, celebrações, eventos e demais atividades promovidas pela Igreja;

 

IV – votar e ser votado para quaisquer cargos ou funções, observada a maioridade civil, quando se tratar de eleição da Diretoria e Conselho Fiscal da Igreja;

 

V – receber assistência espiritual.

 

§ 1º - Quando a decisão envolver aspectos legais, os votos dos membros civilmente incapazes não serão computados, exigida orientação prévia do Presidente.

 

§ 2º - A qualidade de membro da Igreja  é intransferível, sob qualquer alegação.

 

Art. 10 – São deveres dos membros:

 

I – manter uma conduta compatível com os princípios éticos, morais e espirituais de acordo com os ensinos da Bíblia Sagrada;

 

II – exercitar os dons e talentos de que são dotados, e contribuir com dízimos e ofertas, para que a Igreja atinja seus objetivos e cumpra sua missão;

 

III – exercer, com zelo e dedicação, os cargos para os quais forem eleitos;

 

IV – observar o presente Estatuto e zelar pelo seu cumprimento.

 

CAPÍTULO IV

DA ASSEMBLÉIA GERAL

 

Art. 11 – A Assembléia Geral, constituída pelos membros da Igreja, é o seu poder soberano, cabendo-lhe as seguintes atribuições:

 

I – eleger e exonerar o Pastor Titular;

                                     

II - eleger e exonerar os membros da Diretoria, bem como os diretores de outros órgãos da Igreja;

 

III – aprovar o orçamento anual;

                                              

IV  -  aprovar as Contas;

 

V   -  apreciar e aprovar o Parecer do Conselho Fiscal

 

VI - apreciar os relatórios periódicos e anuais da Diretoria e demais órgãos administrativos;

 

VII -  aprovar a compra de bens imóveis;

                           

VIII - alienar por venda, ou de outra forma, bem como onerar total ou parcial o patrimônio da Igreja;

 

IX  -  aceitar doações e legados;

 

 X  -  transferir a sede da Igreja;

 

XI   - decidir sobre a mudança do nome da Igreja;

 

XII -  reformar o Estatuto;

 

XIII - deliberar sobre a dissolução da Igreja;

 

XIV - tomar outras decisões, que envolvam aspectos administrativos, eclesiásticos e doutrinários;

 

XV - resolver os casos omissos neste Estatuto.

 

Art. 12 – A Assembléia Geral da Igreja reunir-se-á ordinária e extraordinariamente.

 

Art. 13 – A periodicidade da Assembléia Geral Ordinária será fixada no calendário da Igreja, sendo a Extraordinária convocada, quando se fizer necessário.

 

Art. 14 – A Assembléia Geral será convocada pelo Presidente ou seu substituto, com antecedência mínima de 08 (oito) dias.

 

Art. 15 – A Assembléia Geral será realizada com um quorum de 1/3 (um terço) dos membros da Igreja, em primeira convocação e de qualquer número, em segunda convocação, 30 (trinta) minutos após, sendo as decisões tomadas pelo voto favorável da maioria absoluta, exceto nas situações especiais previstas neste Estatuto.

 

§ 1º - Nos casos de eleição e exoneração do Pastor Titular, dos membros da Diretoria e do Conselho Fiscale reforma do presente Estatuto, o quorum será de 2/3 (dois terços) dos membros da Igreja, em primeira convocação, da metade e mais um, em segunda convocação, 15 (quinze) dias após, e de 1/3 (um terço) em terceira convocação, no mesmo dia, 30 (trinta) minutos após.

                                              

§ 2º - As decisões sobre os assuntos a que se refere o parágrafo 1º serão tomadas pelo voto favorável de 2/3 (dois terços), dos membros da igreja presentes à Assembléia Geral.

 

§ 3º - Para deliberar sobre a dissolução da Igreja será necessário o voto favorável de 3/4 (três quartos) dos seus membros, em 2 (duas) Assembléias Gerais, realizadas com intervalo de 3 (três) meses, devendo a convocação ser feita, expressamente para esse fim, com ampla publicidade, nos jornais, boletins e outros meios de informação da Igreja, observada a antecedência de 30 (trinta) dias para a convocação.

 

§ 4º - Em qualquer deliberação, o resultado final da votação deverá ser fiel e integralmente registrado em ata.

 

Art. 16 – A Diretoria deverá acolher representação que lhe seja dirigida por um mínimo de 1/5 (um quinto) dos membros da Igreja solicitando a convocação da Assembléia Geral, para apreciar assuntos expressos na representação.

 

CAPÍTULO V

DA DIRETORIA

 

Art. 17 – Ressalvadas a competência e as prerrogativas da Assembléia Geral, como poder soberano que o é, a administração da Igreja será exercida por uma Diretoria composta de Presidente, Primeiro Vice-Presidente; Segundo Vice-Presidente; Primeiro Secretário; Segundo Secretário; Primeiro Tesoureiro e Segundo Tesoureiro.

 

Art. 18 – O mandato da Diretoria é de um ano, exceto o cargo de Presidente que será exercido pelo Pastor, por tempo indeterminado, a juízo da Assembléia Geral.

 

Parágrafo único – Somente poderão ocupar as funções previstas neste artigo, os membros da Igreja legalmente capazes e que estiverem no uso e gozo dos seus direitos civis e eclesiásticos.

 

Art. 19 – As datas para eleição e posse da Diretoria, bem como dos diretores  de outros órgãos existentes, serão fixadas no calendário anual da Igreja.

 

Art. 20 - Compete ao Presidente da Igreja:

 

I – superintender e supervisionar as atividades da Igreja;

 

II - convocar e presidir as Assembléias Gerais;

 

III - representar a Igreja ativa, passiva, judicial e extrajudicialmente;

 

IV – participar das reuniões de qualquer ministério ou órgão da Igreja, na qualidade de membro ex-ofício;

 

V - assinar, com o Secretário, as atas da Assembléia Geral e do Conselho Administrativo;

 

VI –movimentar, em conjunto com o Tesoureiro, os valores e recursos financeiros, inclusive contas bancárias, da Igreja;

                                     

VII – apresentar à Assembléia Geral relatório periódico e anual das atividades da Igreja;

 

VIII – tomar decisões, juntamente com a Diretoria, nos casos comprovadamente excepcionais ou de extrema urgência, “ad-referendum” da Assembléia Geral;

 

IX - cumprir e fazer cumprir este Estatuto.

 

Parágrafo único – As atribuições previstas no inciso VI poderão ser, mediante aprovação da Assembléia, outorgadas a membro da Diretoria ou a titular de órgão da Igreja, através de mandato específico.

 

Art. 21 – Compete aos Vice-Presidentes, na ordem de eleição, substituir o Presidente nos seus impedimentos e ausências.

 

Art. 22 - Compete ao Primeiro Secretário:

I - lavrar e assinar as atas da Assembléia Geral e do Conselho Administrativo;

 

II – manter em ordem os arquivos, livros, cadastros e o fichário do rol de membros da Igreja.

 

Parágrafo único – Ressalvada a hipótese do inciso I, os demais encargos poderão ser exercidos por empregados remunerados pela Igreja.

 

Art. 23 – Compete ao Segundo Secretário, sem prejuízo de outras responsabilidades que lhe forem atribuídas, substituir o Primeiro Secretário nos seus impedimentos e eventuais ausências.

 

Art. 24 - Compete ao Primeiro Tesoureiro:

I – receber e escriturar as contribuições financeiras destinadas à Igreja;

 

II – fazer os pagamentos autorizados pela Igreja;

 

III – movimentar, em conjunto com o Presidente, os valores e recursos financeiros, inclusive contas bancárias, da Igreja;

 

IV – elaborar e apresentar relatórios periódicos e anuais à Assembléia Geral.

 

Art. 25 – Compete ao Segundo Tesoureiro auxiliar o Primeiro Tesoureiro na execução do seu trabalho e substituí-lo nos seus impedimentos e ausências.

 

Art. 26 – Nenhum membro da Diretoria ou do Conselho Fiscal, receberá salário pelas atividades exercidas.

 

Art. 27 – A Igreja adotará um Regimento Interno em que serão definidos a estrutura, os objetivos e funcionamento dos diferentes ministérios, do Conselho Administrativo, dos demais órgãos existentes e outros assuntos que se fizerem necessários.

                                              

CAPÍTULO VI

DO CONSELHO ADMINISTRATIVO

 

Art. 28 – A Igreja contará com um Conselho Administrativo, constituído de sua diretoria, diáconos, ministros setoriais, diretores e líderes dos órgãos internos, e outros de seus membros a seu critério.

                                              

§ 1º – A direção do Conselho será exercida pela Diretoria da Igreja.

 

§ 2º - O Conselho Administrativo reunir-se-á periodicamente para tratar de assuntos relacionados com o planejamento geral, supervisionar os diversos órgãos da Igreja, preparar a pauta da Assembléia Geral Ordinária, além de outras atividades.

 

CAPÍTULO VII

DO CONSELHO FISCAL

 

                                                  FUNÇÃO E COMPOSIÇÃO

Art. 29 - O Conselho Fiscal da Igreja é o órgão responsável pela fiscalização econômico-financeira e patrimonial da Igreja, com as seguintes atribuições:

 

 I – examinar e dar parecer sobre os balancetes mensais e anuais, elaborados pela Tesouraria;

II – acompanhar a evolução financeira e os registros contábeis;

III – examinar, periodicamente, os relatórios financeiros, os lançamentos de todas as contas da Igreja, recolhimentos legais, oferecendo o competente parecer para a apreciação da Assembléia Geral;

IV – recomendar as medidas administrativas necessárias à manutenção do equilíbrio financeiro.

 

Art. 30 - O Conselho Fiscal da Igreja, doravante denominado Conselho Fiscal, é um órgão autônomo, subordinado a Assembléia, a quem prestará seus relatórios.

 

Art. 31 - O Conselho Fiscal será constituído de 03 (três) membros efetivos, eleitos pelo plenário da Assembléia, para cumprir mandato de 03 (três) anos, renováveis anualmente na razão de 1/3 (um terço) e 01 (um) suplente, com  mandato de 01 (um) ano.           

 

CAPÍTULO VIII

DOS MINISTÉRIOS

 

Art. 32 - O Ministério Pastoral será exercido, como preceituado na Bíblia Sagrada.

 

§ 1º - As atribuições do Pastor Titular serão definidas no Regimento Interno da Igreja, conforme prescrições das Escrituras Sagradas.

 

§ 2º - A remuneração do Pastor Titular será exclusivamente em decorrência das suas atividades ministeriais/pastorais.

 

Art. 33 - A Igreja poderá eleger ministros auxiliares em áreas específicas, proporcionando-lhes sustento ministerial pelo exercício da função eclesiástica.

 

 Art. 34 -  A igreja terá um corpo diaconal que atuará em cooperação com o ministério pastoral, cujo número de membros  e  eleição  ficarão  a  critério da igreja.

                                                

Art. 35 - A Igreja  poderá criar, quando julgar necessário, novas áreas de trabalho, outros órgãos, bem como departamentos e comissões permanentes, cujas estruturas e finalidades serão definidos no seu Regimento Interno.

 

CAPÍTULO IX

DO PATRIMÔNIO E DA RECEITA

 

Art. 36 - O patrimônio da Igreja é constituído de bens móveis, imóveis e outros compatíveis com a sua natureza e missão.

 

Art. 37 - Os recursos para manutenção da Igreja são oriundos dos dízimos, ofertas e contribuições dos seus membros, por ato de fé, não podendo ser reivindicados,por herdeiros, sucessores ou terceiros, sob qualquer alegação.

 

Art. 38 - A Igreja poderá receber, por decisão da Assembléia Geral, doações e legados, que deverão ser aplicados, exclusivamente, na consecução de suas finalidades e objetivos.

 

CAPÍTULO X

DAS DIVERGÊNCIAS DOUTRINÁRIAS

 

Art. 39 - Ocorrendo divergências entre os membros da Igreja, no tocante às práticas eclesiásticas e às doutrinárias batistas, como expostas na Declaração Doutrinária da Convenção Batista Brasileira, que causem divisões, os bens patrimoniais ficarão na posse, domínio e administração do grupo que permanecer fiel às mencionadas práticas e doutrinas, mesmo que seja constituído pela minoria e,  se todos se desviarem ficarão para a Convenção Batista Baiana.

 

Parágrafo único – De igual modo, o nome Igreja .................., será de uso exclusivo do grupo fiel às doutrinas batistas acima referidas, cabendo-lhe, também, as seguintes prerrogativas:

 

I – permanecer na posse e domínio do templo e demais imóveis, neles continuando a exercer as suas atividades espirituais, eclesiásticas e administrativas;

 

II – eleger outra Diretoria, inclusive um novo Pastor se as circunstâncias o exigirem;

 

III – exercer todos os direitos e prerrogativas previstos neste Estatuto e na lei.

 

Art. 40 - Configurada qualquer das hipóteses previstas no artigo 39, o julgamento do litígio será feito por um Concílio, constituído por 11 (onze) pessoas civilmente capazes, indicadas pelo Conselho da  Convenção Batista Baiana.

 

Art. 41 - Enquanto não forem sanadas as divergências doutrinárias, a Igreja não poderá deliberar sobre os seguintes assuntos:

 

I – alienação, seja a que título for, do seu patrimônio, total ou parcialmente;

 

II – desligamento de membros ou quaisquer restrições aos seus direitos individuais na Igreja;

 

III – reforma do Estatuto ou qualquer outro documento normativo;

 

IV – mudança da sede;

 

V – alteração do nome da Igreja.

 

 

 

 

CAPÍTULO XI

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

 

Art. 42 - Os membros da Igreja não respondem individual, solidária ou subsidiariamente, pelas obrigações por ela contraídas, bem como, reciprocamente, a Igreja não responde pelas obrigações assumidas por seus membros.

 

Parágrafo único – Não haverá solidariedade da Igreja quanto às obrigações contraídas por outras Igrejas ou instituições denominacionais.

 

Art. 43 - A Igreja não concederá avais ou fianças, nem assumirá quaisquer obrigações estranhas às suas finalidades.

 

Art. 44 – A Igreja só poderá ser dissolvida pela Assembléia Geral quando não estiver cumprindo, reconhecidamente, as suas finalidades, observado o disposto nos artigos 2º e 3º deste Estatuto.

 

Art. 45 – Na hipótese de dissolução da Igreja, o patrimônio líquido será destinado à Convenção Batista Baiana e na sua falta à Convenção Batista Brasileira.

 

Art. 46 – O exercício administrativo e social da Igreja, terá início em 1º (primeiro) de janeiro e terminará em 31 (trinta e um) de dezembro de cada ano.

 

Art. 47- Na  condução  de suas Assembléias, a Igreja adotará as regras parlamentares praticadas pela Convenção Batista Baiana, podendo adaptá-las à sua realidade, caso entenda  necessário.

 

Art. 48 -  O presente artigo, bem como os artigos 2º, 3º, 39 § único e seus incisos, 40, 41 e seus incisos, 44 e 45, só poderão ser alterados, derrogados ou revogados, mediante homologação do Conselho Geral da Convenção Batista Baiana e, na falta deste pelo Conselho Geral da Convenção Batista Brasileira.    

 

Art. 49 - Este Estatuto entrará em vigor após o seu registro no Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas, e só poderá ser reformado pela Assembléia Geral, especialmente convocada para este fim, observadas as condições e exigências previstas no artigo 14 e no artigo  15, caput e seus parágrafos 1º e 2º.

 

Art.50 - O presente Estatuto revoga o anteriormente vigente, aprovado em ...../....../......, e registrado no Cartório Civil da Pessoas Jurídicas da cidade ..................., sob o nº .................., em ....../....../......

 

Feito o assentamento por inteiro do texto do novo Estatuto no presente livro de ata da Igreja, o secretário, por  orientação do presidente, procede a leitura da ata, que apreciada pela Assembléia, é aprovada nos termos da leitura feita. Nada mais havendo a  tratar, a Assembléia Geral foi encerrada com uma oração e, na condição de secretário, lavrei a presente ata, que segue por mim assinada, e pelo Presidente,  quando aprovada pela  Assembléia. Recife,.......de.........................de 20___.   Secretário -                                             Presidente -                                                                       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

IGREJA BATISTA ..........................................................................

(DADOS GERAIS DOS COMPONENTES DA DIRETORIA)

 

1. Presidente

Naturalidade: 

Nacionalidade:

Estado Civil:

Profissão:

Cédula de Identidade nº ................. SSP/__ - CPF/MF ..........................

Residência: ...............................................................................................

 

1º Vice - Presidente

Naturalidade: 

Nacionalidade:

Estado Civil: 

Profissão:

Cédula de Identidade ........................ SSP/__  - CPF/MF ..........................

Residência: ..................................................................................................

 

2º Vice - Presidente

Naturalidade: 

Nacionalidade:

Estado Civil: 

Profissão:

Cédula de Identidade ........................ SSP/__  - CPF/MF ..........................

Residência: ..................................................................................................

 

1º  Secretário

Naturalidade:

Nacionalidade:  

Estado Civil:

Profissão: Advogado -

Cédula de Identidade .................... SSP/__ - CPF/MF..............................

Residência: ................................................................................................

                                          

2º Secretário

Naturalidade: 

Nacionalidade:

Estado Civil:

Profissão: 

Cédula de Identidade ............................ SSP/__ - CPF/MF..........................

Residência:................................................................................................

 

1º Tesoureiro

Naturalidade: 

Nacionalidade:

Estado Civil:

Profissão:

Cédula de Identidade ........................SJSP/__ - CPF/MF ..................................

Residência: .........................................................................................................

 

 

2º Tesoureiro

Naturalidade:

Nacionalidade:

Estado Civil:

Profissão: 

Cédula de Identidade nº............................. SSP/__ - CPF/MF................................

Residência: ..........................................................................................................................

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

 

 

RELAÇÃO DOS PARTICIPANTES DA ASSEMBLÉIA GERAL DE APROVAÇÃO DO ESTATUTO DA IGREJA................................................................................., SITUADA......................................................................CIDADE................. BA, REALIZADA   EM ...... DE.................DE 20__.

 

 

                              NOME                                                                   CPF/MF

 

1.                                                     

 

2.               

 

3.

 

4.

 

5.

 

6.

 

7.

 

8.

 

9.

 

10.

 

11.

 

12.

 

13.

 

14.

 

15.

 

16.

 

17.

 

18.

 

19.

 

20.

 

. . . 

 

RECEBA NOTÍCIAS

CBBA no seu e-mail 

 

ESCRITÓRIO

.

MISSÕES ESTADUAIS

 

 
 
 

Plano Cooperativo e Missões

Convenção Batista Baiana
CNPJ: 32.614.026/0001-16
BRADESCO
AG: 3072 | C/C: 49558-1
BANCO DO BRASIL
AG: 2967-X | C/C: 120205-7
CAIXA
AG: 1053 | OP 003 | C: 4830-1
CHAVE PIX
32.614.026/0001-16
 

Nós Apoiamos

      

     

       

 

 

CBBA nas Redes Sociais